PubhD UMinho juntou investigadoras no CAR
22 de Maio, 2016

O PubhD UMinho juntou três investigadoras das áreas da engenharia têxtil, biologia molecular e filosofia no bar do Círculo de Arte e Recreio. O resultado foi uma noite animada de debate e troca de ideias sobre ciência. “É como fazer macarrão”, respondeu Gabriela Jobim a uma das (muitas) perguntas que o púbico lhe colocou depois de apresentar o seu projecto - 2U_UserUrbe, mobiliário urbano inteligente – em desenvolvimento no Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2c2t) e no Centro de Computação Gráfica (CCG), ambos na Universidade do Minho. O exemplo da culinária ajudou a designer têxtil a explicar a primeira fase do seu projecto – o desenvolvimento de materiais – e enquadrar as seguintes: participação dos cidadãos e criação de uma plataforma digital através da qual as cidades possam oferecer “agradabilidade, prazer e felicidade” aos seus habitantes. Com a ajuda de um modelo anatómico do crânio, Joana Silva abordou alguns aspectos da sua pesquisa sobre a relação entre o stress crónico e a Doença de Alzheimer. A investigadora do Instituto das Ciências da Vida e da Saúde da Universidade do Minho explicou a uma plateia muito atenta que “há dificuldades de investigação” e referiu a recolha de amostras de líquido cérebro encefálico proibida em Portugal como um dos exemplos. “Estamos perante uma investigação extremamente complexa para a qual não se encontrará facilmente uma cura”, por isso, defendeu “o investimento deve ser feito nos cuidados a prestar aos doentes e aos cuidadores, não propriamente na cura”. A última intervenção da noite envolveu aceso debate em torno das questões da moralidade, arte e estética. Sara Gonçalves foi advertindo para as particularidades da reflexão filosófica mas rejeita o rótulo: “não sou filósofa, sou aprendiz”. Estava criada a empatia com o público que apreciou a abordagem de suporte do seu projecto de investigação: o cinema. “Adoro cinema e acredito que todos os filmes envolvem uma dimensão moral. Tudo o que é feito pelo homem envolve moralidade”, afirmou. Para a sessão trouxe “livros e filmes” e uma grande capacidade de surpreender com respostas à altura das provocações. “Foi uma experiência fantástica e o debate com o público é muito enriquecedor”, confessou no final. O PubhD (jogo de palavras entre “pub” e “Ph.D.”/doutoramento) é um movimento de divulgação da ciência que nasceu em Nottingham (Inglaterra) e depois de chegar a Lisboa surgiu em Braga e Guimarães por iniciativa do STOL - Science Through Our Lives, da UMinho, começou a realizar-se, intercaladamente, nas cidades de Braga e Guimarães. A próxima sessão realiza-se no dia 30 de Junho, pelas 21 horas, no bar Sé La Vie, em Braga.

Informação em destaque
Grupo Jovem VOA celebra 4º aniversário
21 de Outubro, 2017
Espetáculo de variedades em Candoso
21 de Outubro, 2017
Orquestra de Guimarães atua no CCVF este sábado
21 de Outubro, 2017
Exposição fotográfica ‘Captains view - o sonho de voar’
21 de Outubro, 2017
“BIAL – A produção, a inovação e outras iniciativas”
21 de Outubro, 2017
Peditório Nacional das Missões Católicas
21 de Outubro, 2017
Publicidade