UMinho desenvolve modelo cerebral em fibra
21 de Maio, 2014
O Grupo de Investigação em Materiais Fibrosos (FMRG) da Escola de Engenharia da Universidade do Minho está a desenvolver um modelo cerebral à base de fibras que ajudará a detetar e tratar doenças do sistema nervoso central.
A pesquisa é liderada pela Universidade de Pittsburgh, no nordeste dos EUA, e já foi elogiada pela primeira-dama Michelle Obama. O objetivo é ajudar os 50 milhões de vítimas anuais de traumatismos crânio-encefálicos e os 30 milhões de novos doentes de Alzheimer a cada ano, entre outros.
Em Pittsburgh, o cientista Walter Schneider inventou uma promissora técnica de imagiologia com maior resolução, a high-definition fiber tractography (HDFT).
Antes desta nova técnica ser aplicada à prática clínica, é preciso testar, calibrar e validar com perfeição. O problema é haver modelos do cérebro humano (“fantomas”), computacionais ou físicos, que se aproximem com o realismo suficiente. Walter Schneider abordou inúmeros grupos de pesquisa no mundo. O da UMinho, coordenado por Raúl Fangueiro, “foi o único com a capacidade e o interesse à altura do desafio”: “É preciso mimetizar o comportamento do cérebro humano, criar milhões de fibras estreitas e intrincadas, organizando-as e conetando-as entre si”.
O Grupo de Investigação em Materiais Fibrosos espera ter dentro de dois anos um cérebro artificial de estruturas de fibras ocas que replicam os axónios e as suas ligações, servindo assim de referência para calibrar a técnica norte-americana de tractografia de alta definição e ajudando à deteção precoce de danos quase impercetíveis pelos meios atuais.
Informação em destaque
Outra Voz leva a palco 'O Outro de Nós'
26 de Maio, 2018
Núcleo de Guimarães comemora 94 anos
26 de Maio, 2018
29ª sessão do Café Memória de Guimarães
26 de Maio, 2018
Muralha visita Recolhimento das Trinas
26 de Maio, 2018
AE Abel Salazar vence Eco Parlamento
26 de Maio, 2018
Prova de BTT “Berço Urban Race”
26 de Maio, 2018
Publicidade