Start-up da UMinho em projeto europeu
03 de Fevereiro, 2014
A SilicoLife, uma jovem empresa biotecnológica da Universidade do Minho, participa num projeto europeu que pretende descobrir ferramentas para combater as resistências dos parasitas e as infeções que estes provocam.
O projeto, designado GlycoPar, é liderado pelo Instituto de Medicina Molecular (IMM) e envolve 14 instituições científicas e industriais de oito países. Tem um financiamento de 3.45 milhões de euros da Comissão Europeia até 2017. A iniciativa é apresentada esta segunda-feira, no Edifício Egas Moniz, em Lisboa. A SilicoLife cria modelos de microrganismos e algoritmos avançados para maximizar a produção de compostos de interesse industrial, acelerando a criação de estirpes otimizadas e a exploração de novas vias metabólicas. Nasceu em 2010 por recém-formados de Bioinformática e docentes da UMinho.
Tem dez colaboradores e sede no SpinPark/AvePark, nas Taipas, Guimarães. Venceu o Prémio de Inovação Atreve-te!, foi start-up da semana na “Wired UK” e ainda distinguida no Fórum Biochem Espanha.
Informação em destaque
Pedro Arezes reconduzido na presidência da EEUM
30 de Setembro, 2022
Bolsas de estudo com candidaturas abertas
30 de Setembro, 2022
PSD:‘descontentamento’ por Guimarães estar fora da Linha de Alta Velocidade
29 de Setembro, 2022
Encontro de Arte Participativa no CCVF
30 de Setembro, 2022
CMG apresenta projeto-piloto à CP para ligação Guimarães-Lordelo
30 de Setembro, 2022
Fafe é palco da 32ª conferência anual da AEMI
30 de Setembro, 2022
Publicidade