Cientistas da UMinho retardam deterioração de frutos
26 de Janeiro, 2022

Uma equipa da Escola de Ciências da Universidade do Minho está a estudar uma forma de retardar a contaminação microbiana e o amadurecimento pós-colheita da fruta. Isto é possível através do própolis, uma resina biológica criada por abelhas para proteger as suas colmeias e utilizada na indústria farmacêutica, cosmética e em higiene e saúde oral, principalmente pelas suas propriedades antimicrobianas e antioxidantes. Os resultados na UMinho são promissores.

O estudo mostra que pode ser possível mitigar o aparecimento de doenças e/ou retardar o apodrecimento microbiano em maçãs, peras e tomates cherry, mas também a degradação natural durante o seu armazenamento e comercialização com recurso a este produto biológico.

No caso de doenças dos frutos causadas por microrganismos fitopatogénicos, este processo de retardação pode passar por pulverizar as árvores, mas os cientistas também testaram soluções à base de própolis após a colheita dos frutos. Com isto, observou-se uma redução no avanço dos focos de infeção induzida.

Informação em destaque
UM fornece competências online sobre resiliência das cidades
03 de Fevereiro, 2023
Detenções por tráfico de pessoas e violação
03 de Fevereiro, 2023
Impacto do atual contexto energético nas empresas
02 de Fevereiro, 2023
Guidance prossegue esta sexta-feira
03 de Fevereiro, 2023
PS promove debate sobre saúde mental
03 de Fevereiro, 2023
Aumentou o nº de atletas federados em Guimarães
02 de Fevereiro, 2023
Publicidade