Equipa da UMinho e Bosch propõe modelo de condução autónoma
12 de Março, 2020

Os decisores políticos e a indústria devem valorizar os sensores de condução autónoma automóvel que sejam codificados por polarização, permitindo assim sistemas mais rápidos, seguros e baratos para o cidadão.

As conclusões estão publicadas na revista científica “Applied Optics” por portugueses do Centro de Física da Universidade do Minho, no âmbito do projeto “Innovative Car HMI”, uma parceria entre a Bosch Car Multimedia e a UMinho.

O estudo centra-se nos sensores LIDAR, os “olhos” do veículo e base da condução autónoma.

Esta tecnologia ótica com detetores laser mede propriedades da luz refletida ao redor do veículo, para assim obter a distância e a forma de um objeto, pessoa ou animal e, ainda, qual é o sentido e a velocidade a que se movem, mesmo em condições de visibilidade precárias.

Informação em destaque
Supermercados e mercearias encerram às 17h
23 de Janeiro, 2021
CMG atribui bolsas de estudo a alunos do ensino superior
23 de Janeiro, 2021
Elementos das mesas de voto em Guimarães realizam testes de rastreio
23 de Janeiro, 2021
Valter Lobo abre CLAV Live Session em Guimarães
22 de Janeiro, 2021
Proibição de circulação entre concelhos até segunda-feira
23 de Janeiro, 2021
Distrito de Braga em alerta laranja devido a chuva forte
23 de Janeiro, 2021
Publicidade