Equipa da UMinho e Bosch propõe modelo de condução autónoma
12 de Março, 2020

Os decisores políticos e a indústria devem valorizar os sensores de condução autónoma automóvel que sejam codificados por polarização, permitindo assim sistemas mais rápidos, seguros e baratos para o cidadão.

As conclusões estão publicadas na revista científica “Applied Optics” por portugueses do Centro de Física da Universidade do Minho, no âmbito do projeto “Innovative Car HMI”, uma parceria entre a Bosch Car Multimedia e a UMinho.

O estudo centra-se nos sensores LIDAR, os “olhos” do veículo e base da condução autónoma.

Esta tecnologia ótica com detetores laser mede propriedades da luz refletida ao redor do veículo, para assim obter a distância e a forma de um objeto, pessoa ou animal e, ainda, qual é o sentido e a velocidade a que se movem, mesmo em condições de visibilidade precárias.

Informação em destaque
Plano Municipal de Emergência da Proteção Civil em vigor
28 de Março, 2020
António Cunha preside o Gabinete de Crise para a Economia
27 de Março, 2020
Covid-19: Guimarães regista subida do número de infectados
27 de Março, 2020
Urbanismo CMG: Prazos de processos em papel suspensos
26 de Março, 2020
Centro de Saúde da Amorosa com Área Dedicada à COVID-19
28 de Março, 2020
Relógios adiantam uma hora na próxima madrugada
28 de Março, 2020
Publicidade