Estudo da UMinho conclui que falta debate e autonomia nas AM
07 de Outubro, 2013
A organização e o funcionamento das Assembleias Municipais portuguesas foram objeto de investigação do Núcleo de Estudos em Direito das Autarquias Locais da Universidade do Minho (NEDAL).
A falta de capacidade crítica construtiva e o défice de sustentação técnica são as lacunas mais verificadas, pelo que António Cândido de Oliveira, coordenador do estudo, sublinha a importância da “valorização das assembleias municipais, dotando-a de meios de apoio às suas decisões”. A investigação teve origem no Seminário sobre a Democracia Local, organizado pelo NEDAL em colaboração com a Assembleia Municipal de Mirandela. Foram remetidos questionários aos 308 municípios portugueses, dos quais se obteve 143 respostas.
Segundo o especialista, “os membros da assembleia municipal não têm meios para debater e deliberar de forma sustentada, o que resulta no baixo nível do debate político”. Cândido de Oliveira afirma mesmo que está claramente comprometido “o desejável enriquecimento recíproco das câmaras e assembleias”, “muitas vezes a assembleia municipal torna-se um lugar que apenas ratifica, sem capacidade para questionar, escrutinar ou debater construtivamente”.
O professor catedrático da Escola de Direito da UMinho entende que as assembleias municipais também devem ser “o alfobre de futuros presidentes, deputados ou governantes. Mas o debate é pobre”. Até porque, acrescenta, “atualmente o que temos é demasiado presidencialismo municipal e pouco parlamentarismo local”.
Informação em destaque
Constituição de Incubadora de Base Social até ao final do ano
25 de Abril, 2018
Guimarães acolheu maratona de empreendedorismo social
25 de Abril, 2018
TecMeetings debatem a economia social na UMinho
24 de Abril, 2018
Exposição “Monges e Guerreiros
25 de Abril, 2018
Guimarães comemora 25 de Abril
25 de Abril, 2018
Braga lança concurso “Sonhos nos Pés”
24 de Abril, 2018
Publicidade