Feira Afonsina recentrada no Monte Latito
15 de Fevereiro, 2019

A Feira Afonsina terá como objeto primordial a História da Fundação de Portugal A afirmação é de Domingos Bragança, Presidente da Câmara, quando questionado no final da Reunião de Câmara de quinta-feira, 14 de fevereiro, sobre o recentramento do evento para o Monte Latito.

No final da reunião do Executivo Municipal, o Presidente da Câmara Municipal, explicou as razões pelas quais o perímetro da edição de 2019 da Feira Afonsina, e futuras, no que diz respeito a todo o aparato de mercadores e animação, se desenvolverá principalmente no Monte Latito sem deixarmos o Centro Histórico da Cidade.

Domingos Bragança foi deixando perguntas ao jeito de respostas, para que melhor se entenda a razão da escolha em fixar toda a matriz da Feira Afonsina, no que diz respeito às atividades lúdicas e de recriação histórica, na área envolvente do Castelo de Guimarães. “Qual foi a primeira casa do nosso Rei D. Afonso Henriques? Não terá sido à volta do Castelo que todo o movimento histórico que deu origem à fundação da nossa nação portuguesa se registou?”, perguntou.

O Presidente da Câmara fez questão de evidenciar que a opção tomada tem como objetivo central uma aposta clara na ligação do evento com a História da Fundação de Portugal, reforçando a ideia do dia 24 de junho enquanto “primeira tarde portuguesa”.

“Queremos, convictamente, que o Dia 1 de Portugal, o 24 de junho de 1128, seja a data adotada como Feriado Nacional, por ter sido o momento que despoletou todo o processo da fundação de Portugal. Nada melhor que um evento com a importância de Feira Afonsina para o evidenciar”, afirmou.

O Presidente da Câmara lembrou ainda que todos os momentos de recriação histórica das anteriores edições tiveram lugar no Campo de S. Mamede e na Colina Sagrada, “por ser esse o palco por excelência da toda a ação“, lembrando que a partir de 2019, a Feira Afonsina terá como temática um episódio histórico ligado a Afonso I e à Fundação de Portugal. “Faz todo o sentido que sejam escolhidos, como palco principal, os lugares carregados de toda a simbologia”, disse.

Domingos Bragança salientou que “apesar de se centrar no Monte Latito, toda a cidade histórica terá um ambiente de recriação e celebração e estará, umbilicalmente, ligada à Feira Afonsina”. Foi também revelado que todo o processo de decisão foi sustentado por reuniões efetuadas com diversas instituições de Guimarães, entre elas a Sociedade Martins Sarmento e a Muralha, num processo de auscultação cujo objetivo foi o de introduzir as mudanças necessárias para que os moldes em que a Feira Afonsina se realiza sejam o mais consensuais possível.

Uma das alterações introduzidas, além do recentrar da ação na “Villa de Cima”, foi a realização, no fim de semana anterior, de Jornadas Históricas que tratarão, cientificamente, o tema que servirá de mote ao evento.

O recentramento da Feira Afonsina permitirá ainda que o Centro Histórico de Guimarães, Património Cultural da Humanidade, possa ser desfrutado com mais conforto, devolvendo ao comércio local o protagonismo e fazendo do espaço mais uma opção diferenciada em fim de semana de feira Afonsina.

Informação em destaque
UMinho integra megaconsórcio europeu
20 de Março, 2019
CLAV cria a 1ª residência Artística Terapêutica do país
20 de Março, 2019
Projeto Tabu! entre os eleitos ao prémio de Boas Práticas
20 de Março, 2019
Silva confirmado no Enterro da Gata 2019
18 de Março, 2019
PR entrega Prémio Mundial de Inovação em Engenharia de Pontes
19 de Março, 2019
I Jornadas de Guitarra de Fafe
20 de Março, 2019
Publicidade