7ª edição do GUIdance
08 de Fevereiro, 2017

Após uma primeira semana agitada pela dança em Guimarães, o GUIdance parte para a segunda ronda de espetáculos no dia 08, às 21h30, na Black Box da Plataforma das Artes.

Depois de ter apresentado a estreia absoluta da sua mais recente criação, Tânia Carvalho, coreógrafa central no panorama da dança contemporânea em Portugal, regressa ao festival com a remontagem da peça “De Mim Não Posso Fugir, Paciência!”, de 2008. Interpretada por quatro bailarinos e por Tânia Carvalho, que nesta criação se senta ao piano, “De Mim Não Posso Fugir, Paciência!” explora a relação de interdependência e recíproca influência entre a música e a dança.

No dia 09 de fevereiro, à mesma hora, mas agora no Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, Luís Guerra sobe ao palco para apresentar “A Tundra”. Depois de construir um país imaginário, Laocoi, e de outras incursões que envolvem a natureza – “Nevoeiro” (2013) e “Trovoada” (2014) – Luís Guerra caminha agora para um espaço de pacificação.

A peça prossegue o caminho criativo, mas agora o criador leva-nos para um lugar de maior serenidade, em que o público é convidado a aceder a um mundo bem para lá do visível.

No dia 10, às 21h30, no Pequeno Auditório do CCVF, chega-nos a estreia nacional de “This is Concrete”, de Jefta van Dinther e Thiago Granato, uma peça onde os corpos de dois homens se embrenham incessantemente, esbatendo as fronteiras um do outro. Imersos num ambiente sonoro de batidas estonteantes e sombras giratórias, a viagem dos artistas é longa e entorpecida e sexual.

No último dia, o GUIdance apresenta dois espetáculos. Às 18h30, na Black Box da Plataforma das Artes, a dupla de jovens criadores Ana Jezabel e António Torres apresenta a estreia absoluta da mais recente cocriação, “A importância de ser (des)necessário”, uma peça que explora a ideia de luto e luta. Ligados e em constante esforço e tensão, Ana Jezabel e António Torres vagueiam pela cena à procura de um novo (des)equilíbrio.

O GUIdance dá por encerrada a sua 7ª edição com a estreia nacional de “Speak low if you speak love”, de Wim Vandekeybus, espetáculo que reafirma a relação de grande cumplicidade entre o coreógrafo belga e o músico Mauro Pawlowski, com quem criou “nieuwZwart” em 2009.

Desta vez, histórias clássicas servem de inspiração para as músicas escritas por Pawlowski e interpretadas pela carismática cantora sul-africana Tuto Puoane. “Speak low if you speak love” não é uma ópera, nem um musical, mas antes uma combinação irrequieta de música experimental e tradição clássica em que o tema central é o amor.

Informação em destaque
Conferência sobre sistemas de energia em Guimarães
19 de Junho, 2018
Taipas: 78º aniversário de elevação a vila
19 de Junho, 2018
Programa Intermunicipal dos Sacromontes
18 de Junho, 2018
Exposição ASPA 40 anos de Luta(s)
19 de Junho, 2018
JpG apresenta “Desporto para todos”
19 de Junho, 2018
II Ecoarte na Póvoa de Lanhoso
18 de Junho, 2018
Publicidade